.posts recentes

. A lógica dos pipis e das ...

. That's what friends are f...

. (Re) Conhecer

. Ouvir o coração

. Tomar decisões com medo

. ...

. Homens esquizofrénicos, m...

. (Curto) Elogio à amizade

. Um ano em 25

. Desenhos animados

.arquivos

. Março 2009

. Janeiro 2009

. Julho 2008

. Junho 2008

. Junho 2007

. Maio 2007

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

Sábado, 15 de Abril de 2006

«Idade da Indecência»

Ao ler o livro de uma das minhas séries de culto, deparei-me com uma catalogação da época em que vivemos verdadeiramente deliciosa: «Idade da Indecência». Claro que, à primeira vista, o nome parece um bocado moralista. Mas não é.


O que, na minha opinião, este rótulo pretende transmitir é um retrato da «nossa» época ou da actual/nossa geração. Lembro-me tão bem dos 15 anos... dos 18... dos 20. Dos amores platónicos, das paixões, do frio na barriga, das pernas a tremer, da ansiedade, de tudo o resto não importar... Só ele, o objecto do nosso amor, da nossa paixão.


Ontem, numa daquelas conversas de café, entre amigos, alguém disse: «Esses sentimentos não existem. As cócegas no estômago são fome, as pernas a tremer é nervosismo. A paixão é uma ilusão». Sim, talvez seja. E não é tão boa esta doce ilusão? Claro que depois de um sonho alto, muitas vezes (ou quase sempre) vem uma grande queda. Mas depois da ferida sarada - bem depois - a recordação dos bons momentos continua a acompanhar-nos. Se calhar é por isso que alguém disse: «Quem já amou, nunca se sente só».


E talvez seja pelo medo desta solidão que hoje vivemos a tal «Idade da Indecência». Não que sejamos todos amorais ou levianos. Muitas pessoas têm valores e procuram a estabilidade. Mas a rapidez com que se vive o dia-a-dia, a falta de tempo, a quantidade de pessoas que conhecemos e que se cruzam connosco todos os dias aumentam os sentimentos de incerteza e insegurança. Por isso andamos (quase) sempre insatisfeitos. Se temos um compromisso, gostávamos de ser solteiros. Se somos solteiros, sentimos falta de alguém. E é a tentar preencher esta falta que a maior parte de nós embarca em relacionamentos temporários e efémeros, em regime de part-time, «quando eu quero e a ti dá jeito», a viver o hoje, sem grandes promessas para amanhã. Porque naquele momento há um lugar que se ocupa, um espaço que se preenche, um ego que sobe.


Talvez seja um sinal de maturidade conseguir encarar o tempo actual como ele é, deixando de parte a utopia do príncipe encantado criada através das histórias que nos contavam na infância. Ou talvez seja um sinal de inteligência saber investir numa relação, saber geri-la e, sobretudo, saber quando é hora de desistir, quando já não há nada a fazer, para que não se perca o que sobrou de (um pouco de) uma vida em comum : as lembranças, o respeito, a amizade.


publicado por IWonderWhy às 16:24

link do post | comentar | favorito
|

1 comentário:
De vitor a 16 de Abril de 2006 às 13:14
o pior e que nem sempre sobra o respeito ou a amizade, pelo menos de forma completamente seincera e sem segundas intenções.

quando respeitas e amas alguem e descobres que o contrario nao e verdade e como se o ceu desabasse em cima da tua cabeça.

eu pelo menos perdi essa parte da minha "inocencia", mas preferia nao a ter perdido.


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Março 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
26
27
28

29
30
31


.Fazer olhinhos

blogs SAPO

.subscrever feeds